Amefea promove encontro com familiares de ingressantes

César Costa

 

No último dia 20, a Associação de Amigos da FEA, a Amefea, deu continuidade aos seus encontros anuais com parentes de estudantes ingressantes da faculdade. O tradicional café da manhã deu lugar a um encontro online devido à situação de isolamento social no país. 

Com mais de 110 presentes, o evento teve como intuito aproximar os familiares da comunidade feana. Além disso, a Associação mostrou-se aberta para ajudar todos os alunos que precisassem de algum auxílio durante a graduação. 

Funcionando apenas com voluntários, a Amefea nasceu dessa percepção de necessidade dos ingressantes por programas de apoio à permanência estudantil. 

Desde o começo do projeto, muitos estudantes puderam ser auxiliados para conseguirem se manter dentro da universidade e seguirem seu futuro com sucesso.

 

Evento e funcionamento da Amefea

 

O encontro foi mediado pelo professor Guilherme Shiraishi, presidente da Amefea, e contou com os depoimentos de ex-alunos e ex-professores da FEA que participaram da associação.

Durante as três horas de conversa, houve uma apresentação mais formal da faculdade com os chefes dos três departamentos e também os coordenadores dos cursos, além de homenagens a alguns integrantes.

Na abertura do evento, o diretor da FEA, Fábio Frezatti, deu boas-vindas e afirmou que há aspectos importantes além do lado educacional. Disse que a Amefea proporciona uma oportunidade de acolhimento e isso é fundamental para a faculdade.  

Depois, o professor Guilherme começa a explicar o funcionamento da associação e destacou que ela é responsável por auxiliar os alunos, oferecendo bolsas de estudo e ajudando das formas que forem possível a permanência. 

Ele reconhece que, para um estudante de baixa renda, entrar na faculdade pode ser prejudicial para a renda da família, então é necessária alguma intervenção econômica para mantê-lo.

O presidente da associação falou sobre outro problema, a preocupação com a qualidade de ensino: “Tentamos compensar as desigualdades de capital cultural dos ingressantes. Às vezes, esses alunos são os primeiros de suas famílias a fazerem curso superior e a FEA felizmente tem a tradição de criar essas novas lideranças”.

A Amefea tenta aproximar alunos com maiores dificuldades para acelerar o seu desenvolvimento. A faculdade vê a diversidade como um ativo superior, algo que ela é totalmente favorável dentro da instituição. 

 

Depoimentos

 

Jorge Toledo está há 8 anos dentro da Amefea e é pai de um ex-aluno formado na FEA. Ele conta que, atualmente, seu filho mora em Nova York e está fazendo doutorado: “Tudo isso foi graças a base sólida que ele teve na FEA. No primeiro dia, quando participei do café, vi a apresentação associação e pensei que era ali que eu deveria entrar”.

Ele ainda diz que foi gratificante saber que estava ajudando alunos que precisam desse apoio e afirma que participar da associação transformou a vivência desse período da graduação. Essa experiência mudou o seu relacionamento não só com seu filho, mas com a própria faculdade. 

Dafne Martins, aluna do terceiro ano de Ciências Contábeis, foi bolsista da Amefea. Ela contou sobre a importância da associação na sua permanência: “Vim do interior, de uma realidade totalmente diferente. Morava numa casa de pau-a-pique. Recebi uma ajuda totalmente inesperada e nem acreditei em tudo que a Amefea pode proporcionar para mim”. 

Atualmente, Dafne estagia na associação. Além disso, tem um projeto de iniciação científica e pretende se formar com seis meses de antecedência em relação ao período ideal do curso. 

 

Como entrar em contato


Se você se sentiu interessado em contribuir com a causa da Amefea ou precisa dessas bolsas, é possível contactar a associação através do e-mail amefea@fipe.org.br. Você pode achar a Amefea no Facebook clicando aqui.

 

 

 

Data do Conteúdo: 
quarta-feira, 24 Junho, 2020

Departamento:

Sugira uma notícia